NEWSLETTERS, ARTIGOS E MÍDIA

ARTIGOS

Motivao e Liderana
Luciano de Almeida Souza Coelho
Janeiro de 2014

Inicialmente, interessante trazer o conceito de motivao, que seria um conjunto de fatores psicolgicos, que conjugados entre si, podem estimular o indivduo, determinando uma conduta apropriada a um fim especfico. Tambm podemos defini-la como sendo o resultado da busca pela satisfao das necessidades e desejos naturais do ser humano.

 

No h dvida de que uma pessoa motivada mais feliz, mais produtiva e, consequentemente, mais bem sucedida, seja na vida pessoal como na profissional.

 

justamente por isso que esse tema a cada dia que passa tem ganhado maior destaque em muitas organizaes, que, inclusive, passaram a investir em programas para motivao de seus empregados.

 

Essa questo muito interessante, pois vivenciamos um perodo regido pela alta tecnologia, em que as empresas se modernizam assustadoramente, num processo de automatizao e robotizao no qual o ser humano tem passado a ocupar um papel de coadjuvante.

 

Por outro lado, no podemos deixar de lembrar que as empresas so feitas de pessoas, repletas de subjetividades e, especialmente, com sentimentos prprios. Assim, chega a ser lgico que o crescimento e o sucesso de qualquer empresa passam, necessariamente, pelo desenvolvimento dos seus empregados, individual e coletivamente.

 

Ocorre que no existe uma frmula para se motivar algum, e isso tira o sono de qualquer empreendedor, pois a motivao intrnseca. Ou seja, o empregador, na verdade, no tem ferramentas para motivar os seus funcionrios, podendo apenas se utilizar de tcnicas e artifcios que os estimulam a se motivarem.

 

justamente por isso que os lderes e gestores ocupam um papel fundamental dentro de uma organizao, pois alm das inmeras responsabilidades que possuem, uma delas vital para o destino da empresa: a tarefa contnua de estimular a motivao dos seus colaboradores, para que os mesmos, ao longo dos anos de trabalho, no fiquem desmotivados.

 

A dinamicidade do mundo contemporneo quebrou paradigmas e hoje a viso da empresa deve ser a de processo, no a de hierarquia. Diante disso, essencial que o lder compartilhe poder, pois assim o poder multiplicado.

 

Frise-se que no suficiente a simples delegao de tarefas, devendo o lder compartilhar autoridade, descentralizar poder.

 

Outrossim, dever colocar a mo na massa, no apenas distribuindo ordens, mas realizando pessoalmente tarefas como uma forma de (i) passar conhecimento (mostrar como fazer) e (ii) fortalecer a equipe, pois demonstra que todos os integrantes, independentemente do grau de hierarquia, esto efetivamente trabalhando em prol de um objetivo comum.

 

Um lder motivador tem que fazer com que cada um de seus liderados se sinta parte de um mesmo projeto. Nessa trilha, o lder tem que ter ser emptico e saber reconhecer as individualidades de seus seguidores, seja suas qualidades (que devero ser potencializadas) ou mesmo seus defeitos (que devero ser trabalhados para serem sanados).

 

A dosagem entre cobranas e recompensas/reconhecimento pelo lder tambm muito importante, pois se conduzida de forma equivocada pode acarretar na desmotivao dos seus liderados. A postura do lder dever ser diferente para cada um dos seus liderados, em respeito isonomia (tratar igualmente os iguais e desigualmente os desiguais), pois cada um deles ter um tipo de reao diferente.

 

O trabalho bem sucedido sempre deve ser reconhecido, seja com um simples parabns, um aperto de mo, ou mesmo com uma promoo. A valorizao do profissional, atravs de seus muitos enfoques, deve ser um processo contnuo, transparente e isonmico.

 

O lder, acima de tudo, tem que ser honesto, seja com a empresa, com os seus liderados e, principalmente, consigo prprio. A honestidade dever se fazer presente no mnimo ato do lder, seja (i) no feedback com o seu liderado, (ii) ao confiar e delegar responsabilidades, (iii) ao definir metas e suas respectivas recompensas, (iv) ao envolver seus liderados nas definies dos processos produtivos, (v) ao elaborar o planejamento da empresa e fixar os seus objetivos, etc.

 

Por fim, a humildade deve fazer parte de qualquer indivduo, especialmente se ele ocupar um cargo de liderana dentro de uma organizao. Isto porque preciso ter conhecimento de que o homem pouco sabe sobre si e que a busca pelo autoconhecimento conduz, naturalmente, ao seu autodesenvolvimento, fundamental para que entenda suas motivaes e, em sendo um lder, as de seus seguidores.

 

Perfeita a passagem do livro O Monge e o Executivo, que, de forma brilhante, traz o conceito e a importncia de ser um verdadeiro lder:

A liderana comea com a vontade, que nossa nica capacidade como seres humanos para sintonizar nossas intenes com nossas aes e escolher nosso comportamento. preciso ter vontade para escolhermos amar, isto , sentir as reais necessidades, e no os desejos, daqueles que lideramos. Para atender a essas necessidades, precisamos nos dispor a servir e at mesmo a nos sacrificar. Quando servimos e nos sacrificamos pelos outros, exercemos autoridade ou influncia [...]. E, quando exercemos autoridade sobre as pessoas, ganhamos o direito de ser chamados de lderes.


Por esse trecho fica ainda mais clara a relao entre liderana, poder e motivao, o que evidencia a importncia do lder no processo de estmulo motivacional dos seus liderados.

 

Pelo exposto, ficou demonstrada a necessidade dos empreendedores, para potencializar as suas chances de sucesso, de visualizarem que suas empresas so formadas por pessoas, sendo essencial o investimento no desenvolvimento humano, onde as individualidades e subjetividades de cada colaborador devem ser trabalhadas com o objetivo de motivar mudanas comportamentais que impactem diretamente na sua produtividade, bem como nas suas relaes familiares e sociais.

 

Manaus, fevereiro de 2013

Voltar
:: Trigueiro Fontes Advogados :: 2015
Facebook Trigueiro Fontes Twitter Trigueiro Fontes Linkedin Trigueiro Fontes
.: Intranet :.